Estudantes são obrigados a escrever declaração de submissão a Alá em atividade da escola
22/05/2018 21:36 em Mundo Cristão

Os alunos de uma escola na Virgínia Ocidental (EUA), receberam uma tarefa na qual teriam que escrever a 'Shadad', declaração islâmica de submissão a Alá.

Atividade de "caligrafia" pedia que os alunos escrevessem declaração de fé islâmica. (Imagem: Teacher Created Resources)
Atividade de "caligrafia" pedia que os alunos escrevessem declaração de fé islâmica. (Imagem: Teacher Created Resources)

O pai de uma estudante da Virgínia Ocidental (EUA) expressou preocupação com uma tarefa de classe que sua filha do sétimo ano recebeu em sua aula de estudos sociais, pedindo aos alunos que transcrevessem a 'Shahada' - declaração de fé islâmica - em caligrafia árabe. Agora, após a reclamação dele e de outros pais de alunos, parece que a escola está retrocedendo.

De acordo com o site 'Christian Post', a filha de Rich Penkoski, Brielle, recebeu um pacote de sua professora Katherine Hinson, na escola de ensino médio 'Mountain Ridge', em Gerrardstown no início desta semana que detalhava a história do Islã, do profeta Maomé e os cinco pilares da fé islâmica. A partir daí, os alunos foram instruídos a praticar a caligrafia manualmente, escrevendo um dos pilares - declarando a crença em um Deus verdadeiro e afirmando que Maomé era um mensageiro de Deus.

Penkoski, que dirige um ministério cristão online chamado 'Warriors for Christ' ('Guerreiros por Cristo'), entrou em contato com o diretor da escola, Ron Branch para entender melhor por que a tarefa foi dada como parte da unidade de religiões mundiais da classe, mas o administrador recuou rapidamente, dizendo que o pacote era opcional e atribuição era focada na caligrafia.

“Eu vi a tarefa de escrever a shahada em árabe. A desculpa deles era a caligrafia”, disse Penkoski ao Christian Post. “Antes de mais nada, a caligrafia foi inventada na China, há 3.000 anos, antes de Maomé... [mas] minha filha me disse que, se ela não fizesse a tarefa, poderia ir para a detenção”.

Apesar das alegações de que a tarefa era “opcional”, o pai frustrado acredita que essa afirmação era apenas a escola tentando encobrir suas intenções reais.

Embora a professora não tenha respondido com clareza às perguntas do pai, o diretor informou em um e-mail para o Christian Post, que os estudantes não eram obrigados a fazer a tarefa, apesar de Penkoski afirmar que o pacote foi entregue pela segunda vez com algumas seções retiradas, depois que ele registrou seu protesto.

Branch escreveu:

“Havia duas atividades de caligrafia no pacote. Uma envolvendo a shahada e uma que são apenas letras alfabeto ocidental em que os alunos podem escrever o que quiserem em caligrafia. A professora disse aos alunos que eles poderiam fazer essas atividades se quisessem. Eu disse ao Sr. Penkoski que a atividade de caligrafia era opcional, mas não foi atribuída. Eles estão lendo o pacote como parte do estudo. A professora disse à sua turma várias vezes que este é um estudo das religiões do mundo e que ela não está tentando defender qualquer religião em detrimento de outra. Ela disse à sua turma que se eles tivessem dúvidas sobre crenças religiosas, que essas conversas deveriam acontecer com seus pais ”.

Ainda não está claro qual foi a intenção de Hinson com o pacote que tinha a atividade sobre o Islã, mas Penkoski continua preocupado com as motivações da escola, considerando que atribuições semelhantes relacionadas a ensinamentos bíblicos ou hebraicos não foram dadas durante as lições judaicas ou cristãs.

“Sem versículos bíblicos, sem recitar os Dez Mandamentos ou a Oração do Senhor... não praticam a escrita em hebraico em comparação com o pacote islâmico”, disse ele. “Uma coisa é falar sobre o secular, mas eles cruzam a linha do Islã, porque passaram do aspecto secular para o aspecto da fé. Sejamos honestos, se eles tivessem voltado para casa com a Oração do Pai Nosso, teríamos ateus processando de todo o lugar processando a escola"

Fonte GuiaMe

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!